Receba as atualizações por e-mail

Cadastre seu e-mail:

sábado, 7 de julho de 2012

Repostagem - Sobre a nomeação do Bispo Gerhard Mueller como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé

A Igreja sempre considerou ser uma de suas mais importantes tarefas manter fielmente o Depósito da Fé, que lhe foi confiado por Cristo e os Apóstolos, e defendê-lo contra erros para transmiti-lo intacto às gerações posteriores. E assim, o cargo de Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé é um dos mais altos da Igreja.

A FSSPX na Alemanha soube, com assombro, do fato de que o Bispo de Regensburgo, Gerhard Ludwig Mueller, fora nomeado para este cargo. A FSSPX pergunta que adequação para este cargo pode ser encontrada num homem que se colocou contra a doutrina católica inúmeras ocasiões, tanto em seus escritos quanto em seus discursos públicos.

Alguns exemplos devem ser mencionados:

1. O bispo Mueller nega em seu livro Die Messe: Quelle christlichen Lebens [A Missa: Fonte da Vida Cristã] a transformação real do pão e vinho em Corpo e Sangue de Cristo. Pão e vinho permanecem, segundo ele, o que são; contudo, eles se tornam instrumentos para a integração dos fiéis na vida em comunhão com o Pai e o Filho. Isso lembra o ensinamento calvinista, segundo o qual o pão e o vinho não se transformam, mas se tornam instrumentos da graça.[1]

2.Contrário à doutrina católica, segundo a qual a transformação dos dons ocorre ao se pronunciar as palavras da instituição, “Isto é o meu corpo... Isto é o cálice de meu sangue”[2], o bispo Mueller afirma que a questão do momento da transformação “não faz sentido.”[3]

3.O bispo Mueller nega, em seu livro Dogmatik [atualmente o texto padrão sobre Dogmática na Alemanha], o dogma da Virgindade de Maria no momento do nascimento de Jesus[4], e, portanto, o ensinamento de que Maria deu a luz a seu filho sem violar sua integridade física.[5]


4. Num panegírico ao bispo protestante Dr. Johannes Friedrich, bispo Mueller disse, em 11 de outubro de 2011: “Também os cristão que não estão em comunhão integral com a Igreja Católica em relação ao ensinamento, meios de salvação e episcopado apostólico, são justificados pela fé e batismo e são integralmente (!) incorporados/integrados na Igreja de Deus, sendo o Corpo de Cristo.” Isso contradiz toda a tradição católica e especialmente o ensinamento de Pio XII na encíclica Mystici Corporis.

5. Contra a doutrina católica da necessidade da conversão à Igreja Católica, como ainda proclamada no ensinamento do Vaticano II[6], o bispo Mueller caracteriza, no mesmo discurso, o assim chamado “ecumenismo de retorno” como sendo “errôneo”.

A Fraternidade apela urgentemente ao bispo Mueller para que ele comente sobre estas afirmações polêmicas, ou para que ele as corrija. A motivação dessa atitude da Fraternidade não é uma aversão pessoal, mas apenas o desejo de uma proclamação não adulterada da doutrina.

Como o bispo Mueller, no passado, não escondeu sua atitude negativa em relação à Fraternidade, a Fraternidade não vê, a princípio, nesta nomeação um sinal de disposição para discutir seu reconhecimento canônico. Não obstante, ela espera que o novo Prefeito – acerca das discussões na igreja universal – possa alcançar uma atitude mais positiva a respeito da FSSPX.

Padre Matthias Gaudron, teólogo dogmático da FSSPX

[1] Na realidade, o corpo e o sangue de Cristo não significam os componentes materiais da pessoa humana de Jesus durante sua vida ou em sua corporalidade transfigurada. Aqui, corpo e sangue significam a presença de Cristo nos símbolos do pão e vinho. ...Temos “agora uma comunhão com Jesus Cristo, mediada pelo comer o pão e pelo beber o vinho. Mesmo na esfera meramente pessoal, algo como uma letra pode representar a amizade entre pessoas e mostrar e corporificar a simpatia do emissor pelo receptor.” Pão e vinho assim apenas se tornam “símbolos de sua presença salvítica.” (Die Messe: Quelle Christlichen Lebens, Augsburg: St. Ulrich Verlag: 2002, p. 139).
[2] Catecismo da Igreja Católica, n. 1375, n.1377.
[3] Die Messe: Quelle Christlichen Lebens, p. 142.
[4] Catecismo da Igreja Católica, n. 499, n. 510.
[5] “Não é tanto acerca das propriedades fisiológicas específicas no processo natural de nascimento (tal como o canal não ter sido aberto, o hímem não ter sido rompido, ou a ausência das dores do parto ), mas acerca da influência curativa e salvítica da graça do Salvador na natureza humana, que foi ferida pelo Pecado Original. ...não é tanto acerca dos detalhes somáticos fisiológica e empiricamente verificáveis.” (Katholische Dogmatik für Studium und Praxis, Freiburg 52003, p. 498.) De fato, a doutrina tradicional se preocupa precisamente com tais detalhes fisiológicos.
[6] Pelo que, não se poderiam salvar aqueles que, não ignorando ter sido a Igreja católica fundada por Deus, por meio de Jesus Cristo, como necessária, contudo, ou não querem entrar nela ou nela não querem perseverar. (Lumen Gentium, 14.)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...