Receba as atualizações por e-mail

Cadastre seu e-mail:

terça-feira, 20 de maio de 2014

Católicos americanos reagem contra a tentativa de realizar uma Missa Negra satânica na Universidade de Harvard

Luis Dufaur

Adoração Eucarística reparadora, capela St Paul, Harvard,
com presença de mais de 1.500 católicos.
No Segredo de La Salette, Nossa Senhora previu que o Diabo seria cultuado em locais especiais para ele.

O culto por excelência do demônio é a missa negra. Este abominável culto quando acontece é em locais que fogem ao olhar das pessoas e das autoridades.

Porém, em 12 de maio, tal vez pela primeira vez na história, foi anunciada uma Missa Negra Satânica num local oficial, por sinal numa das maiores instituições educativas do mundo: a Universidade de Harvard, nos EUA.

Convite missa negra satânica
A sacrílega encenação foi sustada por uma admirável reação dos alunos católicos.

O culto público do demônio que podia parecer um exagero que desdoura o Segredo de La Salette, apareceu subitamente como uma realidade que por pouco não se efeitvou.

Mas, novas tentativas poderão advir. Veja a seguir o que aconteceu em Harvard.

A encenação de uma Missa Negra Satânica havia sido agendada para segunda-feira, 12 de maio, véspera da festa de Nossa Senhora de Fátima, na prestigiosa Universidade de Harvard, nos EUA.

A missa negra é um culto satânico com blasfêmias e sacrilégios, que faz as vezes de uma paródia da Missa católica. Muitas orações são invertidas para exprimir o contrário do rito católico e cultuar Lúcifer, informou o“Boston Globe”.

O satânico ritual foi aprovado pelo Harvard Extension Cultural Studies Club e deveria ser executado pelo grupo“Satanic Temple”, de Nova York. O responsável por esse grupo declarou que não seriam usadas hóstias consagradas, como é o sacrílego costume, segundo informou a CNSNews.

A tentativa de amortecer as reações incluía a “explicação” de que essa missa negra seria apenas uma manifestação de independência em relação à autoridade da Igreja, quando na realidade trata-se de cultuar a revolta de Satanás contra o Sacrifício Redentor da Cruz, renovado em toda Missa autenticamente católica.

Afastando quaisquer dúvidas, Lucien Greaves, porta-voz do grupo satanista, explicou o que eles fazem
“Nós pegamos um pedaço de ‘pão mágico’ que é realmente a carne de Cristo. Nós o escarnecemos sem mercê e nas canções dizemos para ele que já era, e que nós detestamos o sabor de sua carne. Após o deixarmos suficientemente intimidado e fora de combate, alguns representantes da agenda homossexual esfregam todo o seu homossexualismo sobre a Bíblia até Deus chorar. Esse é o momento em que Satanás aparece, e todo o mundo vira a garrafa”.
Procissão Eucarística reparadora
começou no Massachusetts Institute of Technology
Greaves acrescentou ainda que eles se inspiram num relato do século XIX feito pelo escritor Huysmans no livro Là-bas, e outros elementos provêm de sabbaths de bruxas.

De fato, o escritor Joris-Karl Huysmans (1848-1907) narra nesse livro ter assistido a uma missa negra na qual participavam pessoas portadoras das mais torpes taras morais. O sacerdote era verdadeiro e consagrava realmente a hóstia de modo nauseabundo.

Seguiam-se cenas de tal horror moral, que a missa negra desencadeou um processo de conversão do até então ímpio escritor. Ele foi readmitido na Igreja Católica em 1892 e morreu como monge oblato beneditino.

O mesmo porta-voz do grupo luciferino explicou que muitos satanistas são ativistas dos direitos dos animais, vegetarianos e artistas que têm um “forte senso de comunidade.

A notícia do evento satânico em Harvard suscitou comoção e forte reação nos meios católicos.

Uma procissão reparadora, com centenas de participantes ostentando terços e imagens religiosas, saiu da Capela do Massachusetts Institute of Technology (MIT) até a igreja de São Paulo, na Praça Harvard.

Naquele santuário, totalmente lotado, 1.500 católicos fizeram uma hora de adoração eucarística.

Procissão Eucarística reparadora pelas ruas de Boston
Entre os participantes estava a presidente da própria Universidade de Harvard, Catherine Drew Gilpin Faust.

O Pe. Michael E. Drea conduziu as orações e disse que todas as pessoas que têm fé “reconhecem a missa negra pelo que ela é: um ato de ódio à Igreja Católica”. Observou também que os fiéis permaneceram em oração e reparação por várias horas além do previsto.

Cerca de 60 mil estudantes e professores de Harvard assinaram uma petição contra a realização da missa sacrílega no campus universitário.

Terço reparador em Harvard
promovido pela TFP Student Action
Só a petição da TFP Student Action atingiu 45.918 assinaturas em quatro dias.
“Eu estou envergonhada pelo fato de minha universidade estar permitindo um evento tão cheio de ódio sob aparências de ‘educação’”, disse a professora Aurora Griffin, ex-presidente da Associação dos Estudantes Católicos de Harvard.
Diante das reações católicas, os promotores do ritual satânico o transferiram para um bar noturno chamado “Hong Kong”, e chegaram a afirmar por e-mail que o mesmo estava sendo realizado naquela noite.

Porém um empregado do local, que só quis se identificar como Fred, disse por telefone que os membros do grupo satânico encontravam-se bebendo no bar, mas não estavam realizando ritual algum.

A organização satânica emitiu comunicado esclarecendo que a missa negra havia sido adiada indefinidamente.

A tentativa de realizar esse ato revelou o objetivo final para o qual trabalham os militantes de agendas na aparência tão diversas.

Eles convergem para tentar eliminar Deus e sua Igreja do mundo, e proclamar um reinado igualitário, repositório de todos os vícios, dócil servidor de Satanás e promotor de seu culto.

Fontes: Boston Magazine; Boston Globe; CNS News.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...